INÊS NEGRA

Image and video hosting by TinyPic

Decorria o reinado de D. João I.

Nessa altura algumas terras do norte de Portugal eram a favor de Castela. Era o caso de Melgaço, cujo castelo era governado por um alcaide castelhano.

É neste ambiente que decorre a história de Inês Negra.

O episódio que se segue, romanceado ou não, descreve um acto de coragem de mais uma mulher portuguesa que ficou na história.

Inês Negra era uma mulher do povo fiel à causa da independência de Portugal. Por isso abandonou Melgaço na altura em que esta região estava sob domínio castelhano.

Mais tarde, D. João I decidiu reconquistar Melgaço.

Decorria o ano de 1387, e o castelo de Melgaço sofreu o assédio das forças portuguesas.

A campanha caracterizou-se por uma série de assaltos e escaramuças, onde se defrontaram a nobreza, encastelada nos muros da vila, e as classes populares, baseadas fora de muros, no chamado arraial.

 

 Inês Negra juntou-se ao exército, mas, segundo alguns narradores, as duas facções nunca chegaram a defrontar-se.

A batalha travou-se entre Inês Negra e uma sua inimiga de longa data, a "Arrenegada", que tinha optado por apoiar os castelhanos.

A lenda diz que a "Arrenegada" desafiou Inês Negra do alto das muralhas, propondo que a contenda fosse resolvida entre ambas com o acordo do exército castelhano.

D. João I assistiu espantado à resposta de Inês Negra que dizia aceitar o desafio.

Ambos os exércitos concordaram com este duelo e a Inês Negra, de espada na mão, defrontou a sua inimiga apoiada pelos gritos de incitamento dos homens de D. João I.

O silêncio instalou-se quando a "Arrenegada" fez saltar com um golpe a espada das mãos de Inês, mas esta tirou uma forquilha da mão de um camponês e fez-se à luta, procurando atingir a "Arrenegada" nas pernas. Sentindo-se em desvantagem, esta atirou fora a espada e pegou num varapau que quebrou com fúria nas costas de Inês. Louca de fúria e de dor, Inês Negra largou a forquilha e atirou-se com unhas e dentes à sua oponente, rolando ambas no chão empoeirado.

Um grito de dor gelou a assistência, que não conseguia perceber qual das duas vencera.

Foi então que a "Arrenegada" se levantou e fugiu para o castelo, tapando as nódoas e o sangue do rosto com as mãos.

Os castelhanos abandonaram Melgaço no dia seguinte e D. João I quis recompensar a heroína, mas esta respondeu que estava plenamente recompensada pela sova que tinha dado à sua inimiga.

 

 

Esta entrada foi publicada em Mulheres que fizeram história. ligação permanente.

Uma resposta a INÊS NEGRA

  1. Violeta diz:

    Olá Netpiné a primeira vez que comento o teu espaço é bastante interessante, hoje em dia há muito poucas pessoas a interessarem-se em como o nosso pequeno país foi formado e por quem , devemos muito a algumas mulheres bastante corajosas que estão esquecidas.É pena , pois a nossa história é bastante bonita e sofrida.Desejo-te um bom fim de semana Abraço da Violeta.hs

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s