CASA MUSEU DE CAMILO – Seide (Famalicão)

Digitalizar

Não contendo embora as principais características que definem a residência do brasileiro de torna viagem, a casa de S. Miguel de Seide foi, na verdade, manda­da construir, por volta de 1830, com dinheiros amealhados por Pinheiro Alves no Brasil.

Após a sua morte, para a qual muito contribuiu o desgosto que lhe causara a absolvição de sua esposa, Ana Plácido, e de Camilo Castelo Branco no Tribunal da Relação do Porto, pelo crime de adultério de que as acusara, o romancista ali se instalou, no Inverno de 1863, onde, até ao fatídico dia de 1 de Junho de 1890, num processo febril de criação

P1040961

literária e à custa de tragédias próprias e alheias, escreveu grande parte da sua obra, na qual .se reflectem os traços mais marcantes e genuínos do Portugal oitocentista e da alma portuguesa de todos os tempos.

Depois do incêndio que o devastou em 1915, o imóvel foi reconstruído e transfor­mado, em 1922, em Museu Camiliano. Na reedificação, porém, a casa sairia muito adulterada, pois a instalação da escola primária da freguesia de Seide no rés-do­-chão e os requisitos técnicos a que para esse fim teve de obedecer, alteraram-lhe certas características fundamentais.

P1040959

Seriam as obras realizadas nos anos 50 a restituir-lhe a sua traça original, proporcionando, desde então, aos visi­tantes, um arranjo dos interiores muito semelhante ao da residência habitada pelo escritor, e recriando com grande fidelidade o ambiente que ali se vivera no séc. XIX.

Considerada a maior memória viva de Camilo, a Casa de Seide ganhou um signi­ficado histórico de fundamental impor­tância para o conhecimento profundo da obra do escritor, ao abrir as suas portas em especial, e com generosa largueza, aos visitantes mais novos, e ao tirar de cada um dos objectos exibidos a marca triste de despojos mortos, para fazer deles

P1040958

pedras vivas de uma pedagogia da nossa cultura e da memória que, ao longo dos tempos, a tem conservado e transmitido de geração em geração.

Hoje, e .sempre, procurar-se-á que cada visita seja, não uma romagem, mas um convite renovado à leitura de Camilo e uma aposta de esperança na perenidade da cultura e da língua portuguesa de que a .sua obra constitui afirmação tão singular.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s