D. João V, obcecado por freiras e viciado em afrodisíacos….

Image and video hosting by TinyPic

 

D. João V teve os cognomes de “O Magnânimo” e “O Rei-Sol Português”,e alguns historiadores recordam-no também como O Freirático.

 

“O Magnânimo”, dada a gene­rosidade com que abriu mão de enormes fortunas, tanto para engrandecer a coroa como para satisfazer os seus caprichos pessoais. Além de monumentos como o Convento de Mafra e o Aqueduto das Águas Livres, que ainda hoje recordam o seu nome, gastou os pro­ventos do Império na Guerra da Sucessão de Espanha, na batalha do Cabo Matapan contra os turcos, e na

obtenção do Patriarcado para Lisboa, que incluiu a célebre embaixada ao papa Clemente XI, em 1716.

 

“O Rei-Sol Português”, em virtude do luxo de que se revestiu o seu reinado.

Diz Veríssimo Serrão em «História de Portugal» que «era senhor de uma vasta cultura, bebida na infância com os padres Francisco da Cruz, João Seco e Luís Gonzaga, todos da Companhia de Jesus. Falava línguas, conhecia os autores clássicos e modernos, tinha boa cultura literária e científica e amava a música. Para a sua educação teria contribuído a própria mãe, que o educou e aos irmãos nas práticas religiosas e no pendor literário.»

Segundo o historiador Oliveira Martins, “D. João V perdia a cabeça por todas as mulheres, mas a sua verdadeira paixão estava em Odivelas, no ninho da madre Paula”.

A verdade é que nesse tempo a vocação era uma das últimas razões para as mulheres irem para freiras e as visitas aos conventos faziam parte da etiqueta social. O convívio proporcionava intimi­dade, os relacionamentos amo­rosos eram conhecidos e, desde que praticados com discrição, aceites. Era frequente um nobre "ter" a "sua" freira, com quem se correspondia, a quem visitava no convento onde se trocavam presentes – muitas vezes poemas por doces conventuais (ainda hoje têm fama a marmelada de Odivelas e o pudim da madre Paula) – e onde as celas se transformavam em alcovas.

O exagero dessa prática, denunciada – com objectivos opostos – por moralistas e liber­tinos, tomou-se escandaloso.

Odivelas era um local assiduamente frequentado pela nobreza da corte na época em que Paula se tornou freira, e não faltariam, portanto, oportunidades para D. João V e os titulares que o rodeavam se deslocarem ao local.

Terá sido por esta altura que começaram os encontros entre o rei e Paula Teresa da Silva, uma vez que D. José de Bragança nasce, em Lisboa, no dia 8 de Setembro de 1720. Sobre a forma como se conheceram, existem versões sem grande credibilidade

Da relação com a madre Paula uma enorme riqueza gasta para transformar uma modesta cela conventual em aposentos dignos de uma rainha.

O Palácio Pimenta, ao Campo Grande, onde hoje está instalado o Museu da Cidade de Lisboa, foi mandado construir por D. João V para a mesma amante. Os relatos que corriam na corte sobre o luxo da madre Paula, as sua mobílias preciosas, as roupas e as jóias impressionaram o via­jante suíço César de Saussure, que referiu a ligação do rei e da freira no livro sobre a sua visita a Portugal, em 1730.

Mas D. João V teve outros filhos ilegítimos:

D. António, filho de uma francesa de nome desconhecido, mas que, segundo outros historiadores, seria filho de  D. Luísa Inês Antónia Machado Monteiro. Doutorou-se em Teologia e veio a ser cavaleiro da Ordem de Cristo.

D. Gaspar, filho de uma religiosa, D. Madalena Máxima de Miranda (Madalena Máxima da Silva Miranda Henriques). Veio a ser arcebispo primaz de Braga.

Este dois, juntamente com D. José, filho da religiosa madre Paula de Odivelas (Paula Teresa da Silva), e que exerceu o cargo de Inquisidor-mor, ficaram conhecidos pelos “Meninos de Palhavã”.

A expressão deriva do facto de terem habitado no palácio do marquês de Louriçal, na zona de Palhavã, na altura arredores de Lisboa mas que hoje se situa em plena cidade (o edifício – denominado Palácio da Azambuja – é hoje a Embaixada de Espanha em Lisboa, ou "Palácio dos Meninos de Palhavã"). Receberam educação em Santa Cruz de Coimbra sob o preceptorado de Frei Gaspar da Encarnação para se fazerem religiosos

 

Semi-clandestinos, semi-escan­dalosos, os amores ilícitos de D. João V produziram, além dos "Meninos de Palhavã", D. Maria Rita, que não foi reconhecida, e acabou por ir para. .. freira.

Era filha de D. Luísa Clara de Portugal, que passou à história com o cognome da sua casa:

a Flor da Murta.

 

Madre Paula sobreviveu 35 anos ao amante, sempre tratada com a maior consideração. No século XX, o convento de Odivelas foi trans­formado em colégio feminino, para as filhas de oficiais das Forças Armadas

 

A obsessão de D. João V pelo sexo levou-o ao uso descontrolado de afrodisía­cos, designadamente cantáridas, que lhe minaram a saúde e apres­saram a morte.

O Rei faleceu em 31 de Julho de 1750 após quase meio século de governo. Jaz no Panteão dos Braganças, ao lado da esposa, no mosteiro de São Vicente de Fora em Lisboa.

 

 

Esta entrada foi publicada em História. ligação permanente.

Uma resposta a D. João V, obcecado por freiras e viciado em afrodisíacos….

  1. Margarida diz:

    MEU CARO AMIGO QUE HISTÓRIA !!!ADMIRÁVEL POVO PORTUGUÊS QUE CAMUFLA TUDO O QUE QUER ESCONDER.MAS DESTAS HISTORIAS ESTÁ O MUNDO CHEIO , NÃO É SÓ PORTUGALPOIS CONVENHAMOS QUE É GERAL.ACHEI MUITO INTERESSANTE, POIS NUNCA LI NADA SOBRE ESTE REI(APESAR DE TER MANDADO CONSTRUIR O CONVENTO DA MINHA TERRA DE NASCENÇA)E NAO SABIA DA HISTORIA DOS RESPECTIVOS DOCES CONVENTUAIS AGRADEÇO MAIS UMA VEZ SEU CONHECIMENTO E A SUA GENTIL MANEIRA DE NOS DAR A CONHECER .DESTA COM UM ABRAÇO MARGARIDA BY ALDA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s